A GESTÃO DE PESSOAS COMO INTERLOCUTORA ENTRE A EMPRESA E SEUS FUNCIONÁRIOS: UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE ULRICH PARA UM ESTUDO EM INSTITUIÇÃO BANCÁRIA FEDERAL

José Henrique Motta de Castro, Zélia Miranda Kilimnik, Anderson de Souza Sant'Anna

Resumo


Este artigo relata resultados de pesquisa que teve por objetivo verificar até que ponto a gestão de pessoas de instituição bancária federal revela-se com características de modernidade suficientes para viabilizar e sustentar um modelo de competências profissionais. Em termos de referencial teórico, fez-se uso, em especial, dos modelos de gestão de pessoas e Ulrich (2003) e de Brabet (1993). A metodologia consistiu em um estudo descritivo de caso, no qual aplicou-se questionário sobre o papel da gestão de pessoas, adaptado de Ulrich (2003) e enriquecido com contribuições do modelo político de Brabet (1993), este último utilizado com vistas a auxiliar a melhor compreensão das constatações decorrentes das análises empreendidas. Tal estratégia mostrou que as ações praticadas pela empresa parecem funcionar mais como instrumentos que buscam a previsibilidade e o controle da dimensão humana na
instituição do que a construção de canais de interlocução efetiva entre direção e empregados, à altura do seu porte e relevância.

Palavras-chave


gestão de pessoas, competências, competências profissionais

Texto completo: Texto Completo

Gestão & Planejamento. ISSN eletrônico (on-line/e-line) 2178-8030
ISSN impresso 1516-9103